Epidemia de coronavírus faz empresas cancelarem cruzeiros na China

MSC, Costa Crociere e Royal Caribbean cancelaram viagens com destino ou que partem dos portos do país

A epidemia de coronavírus (2019-nCoV) na China levou as principais empresas de cruzeiros marítimos, MSC, Costa Crociere e Royal Caribbean, a cancelaram os cruzeiros com destino ou que partem dos portos do país.

O coronavírus já matou 213 pessoas e infectou outras 9.720. Todas as mortes ocorreram na China.

A MSC cancelou três cruzeiros programados em seu navio Splendida, que tem capacidade para 6.880 pessoas e que sairia de Xangai. As viagens estavam programadas para os dias 1, 5 e 9 de fevereiro com destino ao Japão.

Em nota, a empresa informou que o transatlântico partirá no dia 14 de fevereiro do porto de Cingapura, com roteiros para o Oriente Médio e Europa.

A MSC também afirmou que tem adotado “medidas adicionais de saúde pública em toda a sua frota, como escaneamento térmico obrigatório em passageiros e tripulantes, e, que até o momento, nenhum caso de infecção foi registrado em nenhum de seus navios”.

Já a Costa Crociere suspendeu “temporariamente” nove viagens da China que estavam agendadas até 4 de fevereiro. Os quatro navios da empresa –Costa Serena, Costa Atlantica, Costa Venezia e Costa neorromântica– permanecem atracados nos portos chineses.

A empresa também informou que a partir desta sexta-feira, 31 de janeiro, nenhum hóspede, visitante e tripulante, independente da nacionalidade, que tenha viajado para a China continental nos últimos 14 dias poderá embarcar nos navios da Costa.

A Royal Caribbean, maior empresa de cruzeiros do mundo, informou que cancelou três travessias até 8 de fevereiro em seu navio Spectrum of the Seas.

A Carnival Cruises já havia suspendido nove viagens programadas entre 25 de janeiro e 4 de fevereiro, segundo a agência de notícias Ansa.

Cerca de 2,4 milhões de chineses fizeram cruzeiros em 2018, o segundo maior volume de passageiros por nacionalidade atrás apenas dos EUA, com 13 milhões de passageiros, de acordo com a CLIA (Cruise Lines International Association). As viagens de cruzeiro estão se tornando cada vez mais populares em cidades metropolitanas como Xangai, Tianjin e Shenzhen.

Emergência global

Nesta quinta-feira, 30, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência de saúde pública internacional. Esse decreto é feito quando uma doença se alastra de maneira inesperada e supera as fronteiras do país em que se iniciou.

De acordo com a OMS, existem 82 casos confirmados em 18 países. Destes, apenas 7 não tinham histórico de viagens ao país asiático.

Um mapa online reúne as informações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para acompanhar, em tempo real, a evolução do coronavírus no mundo. Veja aqui.

Situação no Brasil

No Brasil, ainda não há nenhum caso confirmado. O Ministério da Saúde informa que 9 pacientes se enquadraram na atual definição de caso suspeito estabelecida pela OMS e estão sendo monitorados. Todos tiveram histórico de viagem à China.

O Brasil mantém o nível 2 de alerta, em uma escala que vai até 3. Essa classificação define a situação como perigo iminente de entrada do vírus no país. O Ministério da Saúde só irá aumentar esse nível e declarar emergência de saúde pública, se casos de transmissão forem confirmados aqui.

Sintomas do novo coronavírus

O novo coronavírus faz parte de uma ampla família de vírus que pode causar desde um resfriado comum até problemas respiratórios que levam à morte.

Há registros de casos assintomáticos. Mas a maior parte dos pacientes apresenta infecções das vias aéreas superiores (semelhante ao resfriado). Em casos mais graves, pode haver pneumonia e insuficiência respiratória aguda. Crianças, idosos e pacientes com baixa imunidade podem apresentar manifestações mais graves.

Tratamento

Não há um medicamento específico para tratar o novo coronavírus. Indica-se repouso e ingestão de líquidos, além de medidas para aliviar os sintomas, como analgésicos e antitérmicos. Nos casos de maior gravidade com pneumonia e insuficiência respiratória, suplemento de oxigênio e mesmo ventilação mecânica podem ser necessários.

Fonte: https://catracalivre.com.br/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × dois =